sexta-feira, novembro 02, 2007

MenteQueVives - Canto do mundo

Luz que parecia música ou música que parecia luz? Nos corredores, nas bilheteiras, nos balcões, atrás da cortina, em cima do palco, atrás da máquina do algodão doce, de canto em canto recebiam-se a música e a luz sem que fosse possível imaginar uma sem a outra. A nobre distinção de as acolher, recomendava, pelo menos naquele teatro, que ambas se confundissem como a ansiedade e o desejo, o dinheiro e o alívio, os olhos e a imaginação, as mãos e a corda, as tábuas e as sabrinas, o açucar e o corante.
Para garantir a união havia corpos que bailavam como searas debaixo do luar, corpos que mantinham o peso morto da consciência longe daquele teatro e soltavam do palco, do canto do mundo, a leveza das suas massas como se fossem feixes de uma luz que não cabia dentro da orquestra.

Miguel Alves

Estas palavras também podem ser lidas aqui

2 comentários:

Tiago Nené disse...

somos colegas da minguante;)
gostava que colaborasses em:

http://bloguedasartes.blogspot.com/

pensa nisso:)

pretendemos ser uma grande comunidd e um ponto de encontro de artistas e amantes da arte;)

abraço

Tiago Nené

Priscila Lopes disse...

Muito bom você.

Volte sempre ao Cinco Espinhos, e participe.

Abraços!