quinta-feira, dezembro 20, 2007

MenteQueVives - Língua de fora

Pôs a língua de fora e correu.
Melhor, limpou a alma do pai com olhos da cor do mundo, ajeitou a roupa torcida, torcendo-a ela. Perguntou ao pai que horas marcava o seu relógio enrugado, ele respondeu que na hora seguinte os espelhos já só lhe iriam afagar o rosto. Ela percebeu e deu dois pinotes. As areias debaixo dos seus sapatos quiseram naquele instante ser as fachadas que nos guardavam da vida de adulto. No fundo só queriam deixar de ser o som da criancice.
No momento em que me viu, pôs então a língua de fora e correu.
O pai continuou a ser pai no sorriso que me atirou. Eu continuei parado, sem saber o limite daquilo que guardei.

Miguel Alves

2 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

Miguel

até sorri com o teu texto...

bom natal..

© Piedade Araújo Sol disse...

Miguel

Votos de um ano de 2008 pleno de muita inspiraçao.

Um beijo com sabor a maresia levado por um qualquer vento!